Congresso internacional aborda turismo rural e ruralidades na região do Contestado

 Agência UEL


O Departamento de Geociências e os grupos de pesquisa Laboratório de Geografia, Território, Meio Ambiente e Conflito e Observatório da Região e da Guerra do Contestado, do Centro de Ciências Exatas (CCE), promovem, entre os dias 3 e 5 de novembro deste ano, o 1º Congresso Internacional de Turismo Rural e Ruralidades (I-CITRR). 

O evento será realizado juntamente com outros três eventos, todos relacionados às ruralidades: o 12º Congresso Brasileiro de Turismo Rural (XII CBTR), o 3º Congresso Brasileiro da Guerra do Contestado e a 37ª Semana de Geografia da UEL. O tema do congresso internacional é “Muito pasto e pouco rastro no Meio Rural”, com uma série de debates sobre a cultura cabocla do Paraná e Santa Catarina, a qual está em constante ameaça devido ao avanço da monocultura nessas regiões. O congresso reúne pesquisadores de 15 países da América Latina, além de Portugal e Espanha.



Segundo o professor do Departamento de Geociências e coordenador dos eventos, Nilson Cesar Fraga, as ruralidades serão discutidas do ponto de vista do povo da região do Contestado, que foi palco de uma guerra, entre 1912 e 1916, entre caboclos e o Estado brasileiro devido à atividade madeireira iniciada na região, que expulsou o povo caboclo. “Discutiremos a partir desse ponto de vista, de um povo que teve sua vida interrompida pela entrada do grande capital internacional na região. Os efeitos deletérios disso se arrastam até hoje.”

Temas – Entre os temas em discussão, estão as fronteiras agrícolas da região. A expansão da monocultura e o êxodo rural de pequenos proprietários de terras tornaram a região um bolsão de subdesenvolvimento social devido à exploração por colonos. “Essa população, assim como a população do Paraná da região, possui índices muito baixos de desenvolvimento social. Procuramos trazer a temática do turismo rural e das ruralidades para discutir formas de “reavivação” da economia no campo, com foco na produção agroecológica e agroflorestal, sem agressão ao ambiente”, explica.

Os eventos relacionados terão chamada para submissão de trabalhos científicos, além de palestras durante os três dias. Os congressos serão realizados em parceria com a Universidade de Extremadura, da Espanha; Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP); Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP; Universidade do Oeste do Paraná (UNESPAR); Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), além do Grupo de Estudos e Pesquisas de Turismo no Espaço Rural (UNESP), Campus Rosana.

Ainda contribuem com o evento as organizações Fórum Regional em Defesa da Civilização e Cultura Cabocla do Contestado, a Associação Cabocla Filhos do Contestado, a Associação Cultural Coração do Contestado e o Instituto Iberoamericano de Turismo Rural.

Turismo rural – A atividade nasceu, no Brasil, nos anos 1980, em uma fazenda secular de tropeiros nos arredores de Lages/SC. Consiste na exploração sustentável da terra por famílias que residam na região, com culturas e criação de animais obedecendo aos preceitos agroecológicos e agroflorestais. Essas famílias oferecem pousada a indivíduos que se interessem por conhecer a vida no campo intensamente. 

“Não é uma atividade igual ao lazer periurbano, em que o indivíduo vai com sua família para um pesque-pague ou um sítio no fim de semana”, comenta. Durante a estada, o visitante colabora inclusive na produção, gerando riqueza para esses trabalhadores rurais. “É uma atividade que tem muita força na Europa, mas, no Brasil, ainda tem apenas 40 anos. É bastante recente, embora já esteja espalhada por todo o território nacional”.

O evento é gratuito, inclusive para incentivar a participação desses trabalhadores rurais e associações que pensam as ruralidades e o turismo rural. Em breve, será lançado um blog para reunir as informações sobre os congressos, assim como as datas e a programação.

Comentários