sexta-feira, 19 de julho de 2013

INOVATEC aborda Prêmio Finep e Lei de Inovação



Agência UEL
 
Programação trouxe a Londrina representantes da TECPAR e da FINEP, que falaram sobre iniciativas que incentivam a inovação e o desenvolvimento

O coordenador nacional do Prêmio FINEP de Inovação 2013, Carlos Ganem, foi um dos convidados da programação desta quinta-feira (18), na Feira Paranaense de Inovação Tecnológica - INOVATEC Regional Londrina. Ele deu detalhes sobre o regulamento do Prêmio, que deverá distribuir R$ 9 milhões para os participantes. Outro tema abordado na programação desta quinta foi a Lei de Inovação do Paraná, que entrou em vigor em fevereiro deste ano. A INOVATEC termina nesta quinta, à noite, no Hotel Sumatra, no Centro de Londrina. A iniciativa é da UEL e Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná (SETI).

Carlos Ganem comparou os anos áureos do rádio e suas cantoras, nas décadas 40 e 50, e o tempo atual, para dizer que, sem o espírito da inovação, poderíamos viver ainda hoje como no tempo em que a maior parte das pessoas se informava exclusivamente pelas ondas do rádio. 

 
Ganem: FINEP sustentou pesquisa pioneira da Petrobras

Falou da história da FINEP e disse que instituição nasceu, em 1967, para financiar a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico do país. Lembrou que foi a FINEP que foi a responsável pelos recursos que sustentaram a pesquisa da Petrobras para extrair petróleo do pré-sal, algo que nenhuma outra empresa foi capaz de fazer.

Disse também que, como financiadora do desenvolvimento nacional, a FINEP tem hoje uma importância que rivaliza com a do BNDES. Sobre o Prêmio FINEP de Inovação 2013, disse que as inscrições estão abertas até 8 de agosto e podem ser feitas via internet. Existem etapas regionais e uma nacional.
Podem participar pessoas físicas, ONGs, unidades de instituições de pesquisa e empresas. Os prêmios deste ano somarão R$ 9 milhões. A página do Prêmio FINEP é premio.finep.gov.br.
 
Lei de Inovação

Já o presidente do Instituto de Tecnologia do Paraná (TECPAR), Júlio Félix, deu explicações detalhadas sobre a Lei de Inovação do Paraná. Lembrou que ela foi sancionada no ano passado e regulamentada por decreto em fevereiro deste ano. Disse que sua novidade está em regulamentar as relações entre os setores público e privado no âmbito da inovação tecnológica, permitindo ao poder público que subsidie iniciativas de empresas privadas nesse sentido.

Segundo ele, nem todos os Estados têm ainda uma lei congênere, sendo que a própria Lei Federal de inovação é recente, de 2004. Também os municípios podem ter lei de inovação, mas, por ora, contam-se nos dedos os conseguiram aprovar uma.

 
 Félix: lei permite que empresas usem estrutura pública

Abordando aspectos da Legislação, disse que hoje uma empresa pode, sem maior dificuldade, usar infraestrutura pública para pesquisa - alugar um laboratório de um órgão de pesquisa ou de uma universidade, por exemplo.

Por outro lado, um servidor público pode receber gratificação por serviços prestados a uma empresa particular, desde que esse valor seja custeado pelo próprio serviço. Também existe previsão de um fundo de investimentos do Estado voltado exclusivamente para o tema da inovação.
Júlio Félix disse que a lei foi criada para estimular o desenvolvimento tecnológico do Estado, mas sozinha não é suficiente.

"Precisamos das ferramentas", afirmou. E prosseguiu dizendo que a principal estratégia pensada pelo governo é o Parque Tecnológico Virtual do Paraná, que está em implantação. Através dele, será possível atrair investimentos para o Estado com grande facilidade, porque não será necessário sequer que uma empresa esteja presente para obter benefícios e fazer trocas com entidades do Paraná.

"A sociedade paranaense tem vocação para inovar. A Lei de Inovação representa o alicerce", finalizou Júlio Félix.

Nenhum comentário:

Postar um comentário